Este guia o ajuda a entender como usar 3D estereoscópico no After Effects.

Entender a estereopsia e a estereoscopia

Para entender o que é 3D estereoscópico, é necessário compreender a profundidade aparente.Há muitas dicas que nos ajudam a perceber a profundidade.

Os objetos em perspectiva, a oclusão e o tamanho relativo são bons indicadores da profundidade. Um objeto que está mais longe é interpretado como tal por nosso cérebro se ele for muito menor do que outro objeto ao lado dele. Nosso cérebro já sabe o tamanho que esses objetos deveriam ter um em relação ao outro. Se dois objetos são aproximadamente do mesmo tamanho no nosso campo de visão e um está sendo tapado por ou está tapando outro objeto, nosso cérebro infere que um desses objetos está na frente do outro. (A oclusão significa que um objeto está posto em cima do outro e obscurece o outro.) As pinturas ou jogos podem aparecer em 3D porque obedecem essas regras. O After Effects também obedece essas regras quando você cria uma composição 3D com uma câmera.

Outro importante sinal de profundidade é o desfoque da lente. Se o foco dos nossos olhos (ou de uma lente da câmera) estiver em um objeto específico, e outro objeto parece desfocado junto a ele, nosso cérebro sabe que o outro objeto está na frente ou atrás do objeto. Se não houver nenhum desfoque, nosso cérebro pensa que os dois estão em uma distância similar. Você pode ver claramente este fenômeno já que nossos olhos focam em diferentes objetos e as nossas retinas desfocam os objetos fora de foco no segundo plano. Nosso cérebro interpreta isso como um sinal de profundidade sem que sejamos conscientes disso. Este fenômeno é sutil já que nosso cérebro filtra de forma racional para nossa percepção. Normalmente, ele é despercebido por pessoas comuns. No entanto, é possível treinar nossos olhos e cérebro para notar e ser consciente da profundidade do campo de visão relaxando os músculos dos olhos e usando a seguinte (ou similar) técnica. Olhe através de um para-brisa com gotas de água nele à noite. Quando você focar fora do para-brisa, as gotas de água se transformam em pequenos halos de cor chamados de bokeh. Da mesma forma, quando você focar nas gotas, a iluminação dos postes no plano de fundo se transforma em bokeh. Esse efeito pode ser obtido com um olho fechado. Portanto, ele não tem nada a ver com a estereopsia, mas sim com o foco da lente de nossos olhos, similar a como uma lente de câmera faz o foco. Entender como a profundidade do campo de visão é relacionada é importante ao tentar criar imagens realistas e funciona em conjunto com o 3D estereoscópico no After Effects. Especialmente com o novo e aprimorado efeito de desfoque da lente da câmera e os recursos relacionados no After Effects CS5.5.

Assim, o sinal de profundidade mais poderoso é provavelmente a estereopsia. A estereopsia é a habilidade do cérebro em obter duas imagens de entrada de diferentes perspectivas e obter uma compreensão de quão distantes dois objetos diferentes estão em relação um ao outro. Um ponto importante a entender é que, como nossos olhos são espaçados em nossa cabeça, cada um dos olhos pode visualizar uma perspectiva ligeiramente diferente do mundo a nossa frente. Olhe para um objeto próximo e feche um olho, e então abra e feche os olhos diversas vezes. Então, experimente esse mesmo exercício com um objeto que esteja distante.Você observará que um objeto que está próximo pula de um lado para o outro em seu campo de visão muito mais intensamente do que o objeto distante. Se o objeto próximo estiver na mesma direção geral que a do objeto distante, o objeto próximo muda de lado do objeto distante. Esta é a base de como a estereopsia funciona. O cérebro recebe a distância relativa horizontal entre os objetos no seu campo de visão e os compara para obter uma compreensão de onde estão estes objetos em relação uns aos outros em termos de profundidade. Teoriza-se que os pombos sacodem sua cabeça para poder obter a percepção de profundidade (já que seus olhos estão em lados opostos da cabeça e eles não podem ver a profundidade de outra forma). Se olhar através de apenas um olho, perderá seu sinal de profundidade da estereopsia. No entanto, se balançar sua cabeça de um lado para outro com esse olho ainda fechado, poderá novamente obter uma sensação de profundidade. Essa separação entre os olhos que fornece perspectivas diferentes é a chave da estereopsia.

É importante manter todos esses sinais de profundidade em mente ao criar uma composição 3D estereoscópica no After Effects. No mundo real, é possível fornecer informações contrárias ao cérebro e enganá-lo. As ilusões de ótica, como a Sala de Ames, a Escadaria infinita ou a fotografia com mudança de inclinação (tilt-shift), são todos exemplos de como os sinais de profundidade podem ser manipulados e nossos cérebros enganados. (A fotografia com mudança de inclinação é um método no qual um desfoque de profundidade de campo no pós-processo é adicionado a uma imagem para dar a uma paisagem ampla a sensação de uma miniatura.)Como o After Effects permite controlar todos esses sinais de profundidade, é importante manter o controle sobre suas interações e garantir que não estejam dando ao nosso cérebro um excesso de sinais de profundidade contrários. Na vida areal, é possível alterar nossos arredores de formas inteligentes para criar ilusões de ótica. Porém, mais frequente do que nunca, as inconsistências no domínio digital são consideradas artificiais e podem até causar cansaço visual ou dores no cérebro. A estereopsia, sendo o sinal de profundidade mais poderoso, não é uma exceção. É importante assegurar de que não seja doloroso olhar o resultado estereoscópico em diferentes telas. A experiência de visão de uma pessoa pode mudar dependendo de quão grande seja a tela e quão distante o espectador esteja da tela.

A estereoscopia é uma técnica digital para permitir que nosso cérebro considere a estereopsia ao enganá-lo. Essa técnica é feita ao apresentar a cada olho uma imagem diferente. Ao olho esquerdo é apresentada uma visão de uma cena de alguma câmera virtual ou real que mostra a perspectiva esquerda. De forma similar, ao olho direito é apresentada uma imagem da perspectiva direita. Dessa forma, a cada olho é apresentada uma imagem independente e nosso cérebro as une, e percebemos a profundidade. Ao visualizar uma cena 3D estereoscópica em um monitor, os elementos na cena têm uma tendência a saltar para fora ou afundar-se na tela. O estereopsia nos informa que objeto está mais próximo ou mais distante de nós do que na verdade está.

Há muitos dispositivos e sistemas que produzem estereopsia em nossos cérebros. Mas, em geral, o princípio de todos é o mesmo; fazer com que um olho veja uma perspectiva e o outro veja outra perspectiva da mesma cena. Lentes anáglifas são o método mais antigo e são muito mais baratas. Lentes com cores diferentes filtram de forma diferente a visão do olho. Lentes vermelhas e azuis filtram o azul no olho esquerdo e vermelho no olho direito. No lado da exibição, a imagem da esquerda é colorida de vermelho e a da direita é colorida de azul. Então, as imagens são sobrepostas. Cada olho verá somente a imagem associada. Devido à distorção inerente da cor, é difícil ver todas as cores de forma precisa usando a visualização anáglifa. Mas a configuração é muito fácil e funciona de forma precisa para julgar a profundidade e a convergência. Os óculos polarizados funcionam em um princípio simples. Duas imagens são exibidas em uma tela, uma imagem emite somente a luz polarizada horizontalmente e a outra emite a luz polarizada verticalmente. Os óculos têm lentes polarizadas para que cada uma permite somente a passagem da luz polarizada em uma direção. As lentes com obturador ativo funcionam bloqueando um olho de cada vez em uma taxa alta (normalmente 60 fps) e alternando as imagens esquerda e direita a cada quadro quando sincronizadas com o monitor. Algumas TVs não usam nenhum vidro, como aqueles da Alioscopy. O Aliscopy usa a tecnologia lenticular, na qual a lente do próprio monitor efetua realmente a refração das luzes em diferentes direções para que cada olho obtenha uma perspectiva diferente simplesmente por estar em um local diferente em relação à TV. Há muito mais métodos de estereoscopia. Aqui está uma paródia do tópico que mostra um método não muito convencional usado por Jonathan Psot: http://www.jonathanpost.com/

Ao tratar da estereopsia no mundo real, as únicas coisas que podem variar são as posições dos objetos na sua frente, e a perspectiva de cada olho pode ser alterada somente com base nisso. A única maneira de fazer com um objeto pareça estar mais próximo através da estereopsia é de fato colocá-lo mais perto. Não é possível alterar facilmente a distância entre os seus olhos, seu campo de visão ou a abertura de seus olhos (ao menos não voluntariamente) para modificar a profundidade do campo de visão que você percebe. No entanto, no campo digital há muito mais variáveis já que tudo o que foi mencionado acima pode ser alterado. Portanto, há uma alta probabilidade de inserir sinais de profundidade confusos que são contraditórios e que causam dor ao visualizar.

Sinais de profundidade 3D no After Effects

A perspectiva, oclusão e os sinais de profundidade de tamanho relativos são tratados automaticamente para você pelo After Effects, já que ele coloca os objetos em um espaço 3D virtual. Mover um objeto para mais longe do eixo z da câmera torna esse objeto menor e o coloca atrás de outros objetos. Alterar o campo de visão da câmera altera a perspectiva da cena. Uma lente grande-angular fornece mais informações do sinal de profundidade da perspectiva do que uma teleobjetiva, por exemplo. Ativar a profundidade do campo de visão na camada da câmera e modificar a abertura adiciona desfoque da lente de acordo com a distância do foco. Além disso, a estereopsia pode ser adicionada a qualquer composição 3D no After Effects. Em resumo, o conceito é simples: crie uma visualização da câmera esquerda e uma visualização da câmera direita de alguma cena 3D e as renderize. A seguir, use algum tipo de exibição estereoscópica para exibir a composição em estéreo.

Criar uma cena estereoscópica no After Effects

Comece utilizando qualquer composição que tenha algumas das camadas 3D posicionadas ao longo do eixo z. Clique com o botão direito do mouse em uma camada e selecione Câmera > Criar cena 3D estéreo. O After Effects cria uma composição do olho esquerdo e uma composição do olho direito conduzida pelas câmeras esquerda e direita. Também cria uma composição de saída que coloca as duas visões juntas em um formato reconhecido por algum método de exibição estéreo. Se tiver aplicado o comando à uma câmera, a câmera é aquela que controla suas câmeras estéreo.

Neste ponto, você pode colocar lentes anáglifas vermelha-azul e ver sua composição em estéreo. Os objetos pulam para fora ou afundam na tela de acordo com sua distância da câmera. Neste ponto, você pode retornar à sua composição inicial e alterar a posição da sua câmera, a profundidade do campo de visão, o posicionamento das camadas ou algo mais sobre a cena. Ao voltar à exibição em estéreo, ela se atualiza no 3D estereoscópico. Brinque com sua cena. É muito fácil ver o 3D estereoscópico em ação se estiver animando um movimento da câmera, animando objetos que se movem mais próximos da câmera ou animando a profundidade do campo de visão (abertura da câmera, distância do foco e zoom).

Controlar o estereoscopia no After Effects

Após concluir a cena, é possível iniciar o ajuste dos controles do 3D estereoscópico da cena. Nenhuma alteração adicional será necessária na composição principal. Alterne para a composição 3D estéreo e localize os controles do 3D estéreo da camada. Todos os controles necessários para o 3D estereoscópico estão em dois efeitos nessa camada.

Profundidade da cena estéreo

Esse controle é o controle principal para alterar a separação interaxial das câmeras. Aumentar esse controle espalha as câmeras. Esse efeito é como se seus olhos tivessem fica um mais longe do outro. É muito difícil e artificial na prática, portanto esse controle - se utilizado de forma imprópria - pode ter resultados muito dolorosos já que nossos olhos e nosso cérebro não estão acostumados a convergir muito mais do que o permitido pela distância entre nossos olhos. O que você não quer, com certeza, é deixar seus espectadores vesgos tentando juntar seus olhos para focar em um objeto perto ou longe demais. Em geral, para obter resultados mais agradáveis, a separação da câmera deveria corresponder à separação dos olhos. No entanto, é muito difícil fazê-lo, pois a saída final poderá estar em uma TV 3D pequena (relativamente) de 50’’ ou em uma tela IMAX muito grande. Em ambos os casos, as distâncias entre os objetos em uma tela podem variar significativamente e podem causar esforço ou estrabismo do olho em uma tela de visualização, mas podem ser boas em outro. Por esse motivo, a propriedade Profundidade da cena estéreo é medida em % da largura da composição. Dessa maneira, o tamanho da composição estéreo for alterado, o cálculo estereoscópico permanece inalterado em relação ao novo tamanho.

Alterar o valor da Profundidade da cena estéreo tem o resultado de fazer com que a cena 3D estereoscópica se destaque ou afunde mais na tela. Ajustá-la em 0 retira toda a estereoscopia e tudo estará no plano da tela.

Para entender o que esse controle está fazendo, entenda que afastar as câmeras tem o efeito de mover todos os objetos da cena para longe uns dos outros na horizontal, portanto aumentando a quantidade de separação da profundidade percebida. Dessa forma, você poderá mover um objeto para mais longe e para mais perto da câmera para obter mais profundidade. Aumentar esse valor aumenta a quantidade máxima que um objeto pode se destacar ou afundar no monitor.

Entender a convergência

Quando nossos olhos se convergem em um objeto, se houver uma diferença na posição horizontal daquele objeto entre a imagem do olho esquerdo e direito, nossa mente une o objeto em um e nosso cérebro pensa que o objeto está a uma determinada distância (devido ao paralaxe).

Quando dois objetos aparecem no mesmo local horizontalmente no quadro à esquerda e à direita, a distância dos objetos a partir da câmera indica o plano de convergência. Qualquer camada que esteja na mesma distância que esse plano da câmera será convergida sobre a mesma. Os objetos que são convergidos sobre si parecem residir na superfície da tela que está sendo visualizada. Tudo o que estiver mais próximo da câmera do que daquele objeto ou de outros ao longo do plano parece saltar fora da tela. Tudo o que estiver mais distante da câmera do que daquele objeto parece estar mais profundo na tela.

Pense no plano de convergência como um ponto de âncora para o espaço 3D estereoscópico. Dessa forma, você pode deslocar seus objetos 3D para frente e para trás e controlar diretamente se os objetos estão todos se afundando na tela, ou apenas saltando para fora, ou uma mistura de entrada e saída. Para entender como os objetos serão ressaltados em qualquer direção em relação ao plano, consulte a seção Profundidade da cena estéreo.

Convergência ou câmeras paralelas e ponto de convergência

Nossos olhos se movem ligeiramente em direção ao objeto que estamos olhando. Esse efeito é conhecido como convergência. O After Effects cria esse efeito quando você seleciona Convergir câmeras nos Controles 3D estéreo. O uso da convergência pode proporcionar mais controle, mas há diversos fatores a levar em conta ao fazer isso. Quando as câmeras se convergem, a perspectiva da visualização é alterada, visto que as câmeras são giradas e, portanto, a distorção é introduzida. As perspectivas das câmeras esquerda e direita não se alinham mais com precisão. Ao capturar um vídeo estereoscópico ao vivo, a convergência do equipamento de câmera quase nunca é desejada. Você deseja corrigir a distorção da perspectiva se precisar alterar o ponto de convergência na pós-produção. As cenas reais são quase sempre capturadas com câmeras paralelas. Tenha isso em mente se estiver tentando misturar e combinar a gravação ao vivo com elementos digitais. Se sua cena consiste somente de elementos 3D no After Effects, provavelmente será seguro e preferível usar câmeras que convergem.

Câmeras que convergem

No After Effects, é muito mais fácil alterar o ponto de convergência de seu equipamento de câmera 3D estereoscópica porque é possível alterar com maior facilidade para onde as câmeras estão apontando. Certifique-se de que Convergir câmeras esteja selecionado e altere a propriedade Deslocamento de convergência Z. Aumentar esse valor empurra o ponto de convergência para longe da câmera, portanto, todos os objetos na cena se pulam para fora quando visualizados em um monitor 3D. É possível definir para onde as câmeras convergem alterando a propriedade Convergir para. Normalmente, é mais fácil fazer com que as câmeras esquerda e direita façam a convergência ao ponto de interesse da câmera mestre (padrão). Mas é útil alterá-lo para a posição da câmera (mais, por exemplo, a distância do foco como um deslocamento) ao tentar combinar o ponto de convergência e a profundidade do campo de visão. Da mesma forma, é possível vincular o ponto de convergência ao zoom para manter automaticamente a mesma convergência a mesma ao fazer um deslocamento de perspectiva (alterar o campo de visão da câmera ao aproximar a câmera). Consulte a seção sobre a profundidade do campo de visão para obter mais informações.

Câmeras paralelas

Você também pode usar câmeras paralelas virtuais. Essa técnica é útil se precisar combinar a gravação ao vivo e adicionar elementos digitais a essa cena. Manter as orientações virtuais da câmera consistentes com as câmeras usadas na gravação ajuda a manter alinhadas as perspectivas dos elementos digitais e do tipo da gravação estéreo.



Alterar o plano de convergência com a gravação ao vivo é tão simples quanto alterar o alinhamento horizontal das imagens esquerda e direita. Conceitualmente isso faz sentido; cada objeto na imagem esquerda e direita possui um deslocamento horizontal diferente dependendo da profundidade devido ao paralaxe. Se você alinhar as imagens da esquerda e direita para que um objeto específico na gravação apareça exatamente no mesmo local quando sobreposto. Seu ponto de convergência está agora localizado na profundidade que corresponde à distância em que esse objeto estava da câmera quando você fez sua gravação (ou a distância que tal objeto está das câmeras virtuais).

Você pode alterar a propriedade Convergência da cena do efeito de óculos 3D para alterar o plano de convergência das câmeras paralelas. Tenha em mente, no entanto, que por simplesmente deslocar as imagens finais, ele atua como uma alteração adicional da convergência se tiver feito a convergência utilizando a propriedade Convergir câmeras com um deslocamento. Em geral, altere somente a propriedade Convergência da cena do efeito de óculos 3D ao usar a gravação ao vivo ou quando a opção Convergir câmeras estiver desativada.

Aumentar a propriedade Convergência da cena move o plano de convergência para mais longe da câmera. Tudo da cena salta da tela em direção ao visualizador.

Normalmente, seu plano de convergência com câmeras paralelas deve idealmente estar na distância do zoom da sua câmera. No entanto, quando as câmaras estiverem paralelas, há um deslocamento a ser levado em consideração. As câmeras são espaçadas entre si, e as duas perspectivas também são espaçadas entre si. Para ter o plano de convergência correto, é necessário alterar a convergência da cena para neutralizar a separação das câmeras. Subtrair a profundidade da cena estéreo (separação interaxial) fará isso e impedirá que o ponto de convergência se mova ao usar câmeras paralelas e elementos 3D virtuais. No entanto, não faça isso ao usar câmeras convergidas. Defina uma expressão na propriedade Convergência da cena do efeito de óculos 3D para que isso seja levado em consideração automaticamente. Certifique-se também de que a propriedade Unidades no efeito de óculos 3D esteja definida como % da origem para que corresponda às unidades da Profundidade da cena estéreo no efeito de controles 3D estéreo; caso contrário, um cálculo adicional será necessário. Após fazer isso, você pode alterar a propriedade Profundidade da cena estéreo e sua convergência da cena não será alterada. Como teste, experimente alterar a propriedade Profundidade da cena estéreo com a Exibição 3D do efeito de óculos 3D definida como Diferença. Você não verá as áreas pretas se moverem para frente e para trás, verá somente a separação dos objetos na frente ou atrás delas. Com a seguinte expressão para as câmeras paralelas e o valor do conjunto de convergência da cena definido como 0, o plano de convergência estará na distância de zoom da câmera.

Expressão da propriedade Convergência da cena do efeito de óculos 3D

try {

                cameraOffset = effect("Stereo 3D Controls")("Stereo SceneDepth");

                if( effect("Stereo 3D Controls")("Converge Cameras") == false ) {

                                    value - cameraOffset;

                } else {

                                    value;

                }

} catch (e) {

                value;

}








Visualizar o plano de convergência com câmeras paralelas

Ao trabalhar com câmeras convergidas, é muito mais fácil saber quão distante está seu plano de convergência. Você tem acesso direto para definir o ponto e o deslocamento da convergência. Consulte a seção sobre câmeras convergidas para ver como.

Ao lidar com as câmeras paralelas, é difícil perceber em qual a profundidade se encontra o plano de convergência na cena. Para visualizar esse efeito, altere a propriedade Exibição 3D no efeito de óculos 3D para Diferença. Os objetos que estão alinhados se tornam pretos. Os objetos alinhados estão no plano de convergência. Se você alterar a propriedade Convergência da cena arrastando o valor da propriedade, verá uma banda mais escura se mover através da cena. Esta banda é o plano de convergência que se move para frente e para trás através da cena. Se alternar para a exibição 3D e colocar seus óculos, os objetos nesse plano de convergência parecem estar no plano da tela da TV.

Equiparar as câmeras com o Maya

É bom lembrar que nossos olhos estão normalmente cerca de 6 a 6,5 cm distantes entre si. Esse efeito é útil se estiver tentando equiparar a separação da câmera de outro programa, como o Maya. Se importar câmeras (ou nulls) do Maya e elas não estiverem alinhadas com as posições estéreo do equipamento da câmera, tente adicionar a seguinte expressão à separação interaxial (propriedade Profundidade da cena estéreo) para manipular a conversão em unidades do After Effects. Nesse caso, as unidades padrão do Maya estão em cm, e estão tratando com unidades absolutas. É necessário neutralizar o cálculo do percentual da largura da composição. No entanto, é possível ter que reformular os quadros-chave se o tamanho da saída for alterado. Usar esta equação permite arrastar o valor da propriedade como normalmente o faria. Tal valor é adotado e modificado conforme necessário.

Expressão da Profundidade da cena estéreo (separação interaxial) para coincidir com as câmeras do Maya:

value * (100.0 * 6.5 / thisComp.width);

Se as câmaras estiverem no local incorreto, certifique-se de verificar onde a câmera mestre do Maya está em relação à esquerda e à direita. Lembre-se de que é possível alterar a configuração no efeito Controles 3D estéreo no After Effects de tal forma que a câmera mestre seja centralizada entre as câmeras esquerda e direita, ou no mesmo local que o esquerdo (hero à esquerda) ou o mesmo local que o direito (hero à direita).

Equiparar a profundidade do campo à convergência

Para obter qualquer tipo de cena realista, normalmente se adiciona profundidade do campo de visão, apesar de ser sutil, a menos que esteja usando uma lente telefoto ou macro. Normalmente, deseja-se que o foco coincida com o plano de convergência das câmeras. Com câmeras paralelas, é mais difícil e é necessário “medir a olho” (consulte a seção em ETLAT e Visualizar o plano de convergência com câmeras paralelas para obter mais informações).

Ao trabalhar com câmeras convergidas, é muito mais fácil equiparar os planos de distância e de convergência do foco. Aqui estão alguns métodos.

Se desejar que a distância do foco simplesmente siga seu ponto de interesse, use o novo comando clicando com o botão direito do mouse na camada da câmera na linha de tempo. Escolha Câmera > Vincular a distância do foco ao ponto de interesse. Certifique-se de que as propriedades de efeito Controles 3D estéreo estejam ajustadas para convergir ao ponto de interesse da câmera com um deslocamento de 0.

Se já tiver colocado no quadro-chave a distância do foco da sua câmera principal e desejar que seu ponto de convergência coincida com ela, faça com que suas câmeras façam a convergência para a posição da câmera. Defina uma expressão na propriedade Deslocamento de convergência Z para corresponder à distância do foco da câmera. Agora seu ponto de convergência segue a sua distância do foco.

Certifique-se de substituir YourCompName pelo nome correto da sua composição principal.

Expressão a ser definida na propriedade Profundidade de convergência Z:

comp("YourCompName").layer("Master Cam").cameraOption.focusDistance

Se já tiver colocado no quadro-chave a propriedade Deslocamento de convergência Z, poderá definir uma expressão na distância do foco para corresponder ao deslocamento de convergência z. Certifique-se de lembrar onde a âncora do seu ponto de convergência se encontra. Se estiver convergindo para a posição da câmera, nenhum trabalho adicional é necessário além de vincular sua distância do foco com o ponto de interesse como descrito anteriormente. No entanto, se estiver convergindo para o ponto de interesse da câmera, adicione a distância entre o ponto de interesse da câmera e a posição da câmera ao deslocamento z na expressão de distância do foco usando a função comprimento. Se estiver convergindo para o zoom da câmera, adicione o valor de zoom ao deslocamento z na expressão de distância do foco.

Certifique-se de substituir YourCompName pelo nome correto da composição 3D estereoscópica.

Expressão a ser definida na propriedade Distância do foco:

stereo_comp = comp("YourCompName Stereo 3D"); 

s3d_controls = stereo_comp.layer("Stereo 3D Controls").effect("Stereo 3D Controls");

converge_to = s3d_controls("Converge To");



convergence_z_offset = s3d_controls(8);

converge_to_pos = (converge_to == 1);

converge_to_poi = (converge_to == 2);

converge_to_zoom = (converge_to == 3);


if( converge_to_pos ) {

convergence_z_offset;


} else if (converge_to_poi) {

convergence_z_offset + length(transform.position, transform.pointOfInterest);

} else if ( converge_to_zoom ) {

convergence_z_offset + cameraOption.zoom;














Elementos 3D digitais compostos com gravação estéreo de câmeras da vida real

Você pode trabalhar com gravação real e integrar os elementos 3D no After Effects. O fluxo de trabalho no momento exige um pouco de trabalho manual. Em geral, use sua gravação estéreo como uma placa de plano de fundo e, a seguir, componha seus elementos 3D sobre ela. O inverso poderia ocorrer se, por exemplo, você estivesse tentando colocar um vídeo estereoscópico (como uma substituição da tela de TV) em uma cena estereoscópica virtual e a convergência da cena precisasse ser diferente da convergência da gravação.

Para simplificar, aqui está o fluxo de trabalho usando a gravação estereoscópica como uma placa de plano de fundo.

Primeiro, comece com a cena 3D e crie um equipamento 3D estereoscópico (Câmera > Criar equipamento 3D estéreo). Importe seus itens de gravação estereoscópica do olho esquerdo e do olho direito. Arraste o item de gravação do olho esquerdo para a composição do olho esquerdo e o item de gravação do olho direito para a composição do olho direito na parte mais inferior da pilha de camadas e deixe-as como camadas 2D. Agora, se você alternar para a exibição 3D estéreo, deverá ver os elementos 3D compostos com a gravação 3D estereoscópica. Ótimo!

É necessário executar uma última ação para de fato controlar a convergência da gravação. Adicione um efeito de controle de expressão Controle deslizante à composição 3D estéreo e nomeie-o Convergência da gravação. Defina uma expressão na posição X das camadas de gravação esquerda e direita. (Você primeiro irá precisar de dimensões separadas da Posição: Animação > Dimensões separadas.) A camada esquerda adiciona o valor do controle deslizante convertido no percentual da largura da composição e a camada direita o subtrai. Certifique-se de substituir YourCompName pelo nome correto da composição 3D estereoscópica.

Expressão a ser definida na propriedade Posição X da camada de gravação do olho esquerdo:

transform.xPosition + (comp(“YourCompName Stereo 3D").layer("Stereo 3D Controls").effect("Footage Convergence")("Slider") / 100 * width )

Expressão a ser definida na propriedade Posição X da camada de gravação do olho direito:

transform.xPosition - (comp("YourCompName Stereo 3D").layer("Stereo 3D Controls").effect("Footage Convergence")("Slider") / 100 * width )

Agora é possível arrastar o controle deslizante da convergência da gravação para alterar o plano de convergência da gravação 3D estereoscópica e usar o efeito Controles 3D estéreo para controlar a convergência de seus elementos 3D. Os óculos 3D alteram a convergência de ambos ao mesmo tempo. Convém testar e fazer com que os planos de convergência correspondam o máximo possível nessa situação.

Não é possível alterar a profundidade da cena estereoscópica da gravação após tê-la gravado. Isso envolveria alterar a separação interaxial das câmeras e capturar a gravação com as novas perspectivas para cada câmera. É muito difícil obter perspectivas diferentes de uma imagem que já tenha sido gravada (embora haja uma pesquisa acontecendo nessa área). A melhor opção é definir a propriedade Profundidade da cena estéreo de seus elementos 3D para que correspondam o mais próximo possível à separação das câmeras que foram usadas na gravação. Combiná-las pode ser um tanto difícil. Normalmente, as câmeras são espaçadas em 6,5 cm para ser similar à separação dos olhos. Mas dependendo do tamanho da câmera, isso pode variar (principalmente se o corpo da câmera for mais largo e não for possível colocar as câmeras próximas uma da outra). É necessário fazer algum tipo de cálculo para compensar as dimensões da gravação. Também leve em consideração as unidades corretas mencionadas anteriormente já que o After Effects opera em unidades de pixels, não em centímetros.Pode ser mais fácil apenas ajustá-la manualmente nessa situação.

Lembre-se de que, para atingir o ponto de convergência da gravação para que corresponda ao valor de zoom da câmera, é necessário subtrair a quantidade de separação das câmeras da convergência da gravação. Usar o modo de diferença é provavelmente a maneira mais fácil e rápida de alinhar o objeto que você deseja que esteja no plano de convergência. Para ter a melhor composição possível (e menos dolorosa), certifique-se de fazer a correspondência do plano de convergência dos elementos 3D com o da gravação estéreo.

Para obter uma boa explicação dos tipos diferentes de equipamento de câmera que podem ser usados e mais fluxos de trabalho 3D estéreo no Premiere Pro, assista a esse ótimo vídeo de David Helmly:

http://tv.adobe.com/watch/davtechtable/3d-stereoscopic-editing-with-premierepro-cs5-winosx/

ETLAT (edite isso, examine isso) 

Ao editar com 3D estereoscópico, é normalmente imprescindível ser capaz de ver exatamente o que está acontecendo e como os parâmetros que estão sendo alterados afetam o equipamento 3D estereoscópico. Existe uma maneira simples de ter uma ideia disso no After Effects:

  • Abra um novo visualizador da composição e defina um para visualizar sua composição inicial da cena e outro para exibir a composição 3D estereoscópica final. Certifique-se de bloquear essas perspectivas para que não se alterem.
  • Com a composição estéreo 3D selecionada, clique na camada de controles e bloqueie o painel Controles de efeito para que ele não esteja oculto.
  • Agora, volte para sua composição inicial e ative as estruturas de arame da câmera. Escolha Exibir > Opções de exibição > Estruturas de arame da câmera > Ativado. A seguir, alterne para uma visualização personalizada para poder ver suas câmeras no espaço 3D.

Neste ponto, você deverá ser capaz de ver três câmeras: sua câmera mestre, assim como as da esquerda e direita. Alterar as configurações em Controles estéreo 3D deverá atualizar as câmeras em sua cena inicial. Tente alterar a propriedade Profundidade da cena estéreo para ver as câmeras se separando ou ajuste as opções de convergência para ver para onde as câmaras estão apontando.

Essa técnica é especialmente útil ao depurar problemas e ao tentar fazer a correspondência da profundidade do campo de visão com distância da convergência. A distância do foco e o ponto de convergência são exibidos quando as câmaras estiverem convergindo. Com câmeras paralelas, ainda é possível ver a distância do foco ou do ponto de interesse e ver como isso se alinhará com o ponto de convergência percebido na saída final usando a técnica de modo de diferença como descrito anteriormente.

Conectar o After Effects a uma TV 3D

É consideravelmente simples editar ao mesmo tempo em que visualiza os efeitos 3D estereoscópicos que estão sendo alterados. O modo de visualização anáglifa é uma forma econômica de fazer isso. Se tiver uma TV 3D acessível, siga estas etapas para ver sua composição e editá-la em 3D estereoscópico ao vivo.

  • Conecte sua TV 3D ao seu computador como um segundo monitor (DVI ou HDMI).
  • Certifique-se de que as dimensões da sua composição correspondam exatamente à resolução da TV 3D. Verifique as configurações de resolução do segundo monitor.
  • Altere a propriedade Exibição 3D no efeito Óculos 3D para que corresponda a uma propriedade compatível com a TV 3D: o Par estéreo (lado a lado), Sobre Abaixo ou Entrelaçado superior L Inferior R.
  • Crie um novo visualizador de composição para a sua cena 3D estereoscópica e arraste-o para fora do quadro do After Effects para a TV 3D. Certifique-se de bloquear esse visualizador.
  • Certifique-se de que a Proporção de ampliação no visualizador esteja definida como 100%. 
  • Pressione Ctrl+\ (Windows) ou Command+\ (Mac OS) duas vezes para ativar o tamanho de tela cheia do visualizador na TV 3D.
  • Ative o modo 3D na TV 3D.
  • Coloque os óculos. Você deverá visualizar sua composição em 3D estereoscópico.

Luzes, câmeras e o equipamento

As composições Olho esquerdo e Olho Direito podem produzir visualizações diferentes da câmera porque elas são pré-compostas com a opção Retrair transformações ativada. Elas não herdam os dados de câmera ou de luz da composição de conteúdo, mas utilizam as câmeras esquerda e direita modificadas. Isso é bom porque as câmeras criam automaticamente os ângulos corretos para a visualização estereoscópica sem nenhum trabalho manual.

No entanto, existem duas limitações:

Não é possível usar várias câmeras, já que cada equipamento 3D estereoscópico está sempre vinculado a apenas uma câmera mestre. Se precisar de várias câmeras, será necessário vincular vários equipamentos 3D estereoscópicos a cada câmera individual e, a seguir,, editar em conjunto as cenas 3D estereoscópicas em outra composição.

As luzes não são transferidas para as pré-composições com transformações retraídas. Se criar uma luz em sua composição principal, essa luz não será usada em suas composição de Olha esquerdo e Olho direito nem em sua composição 3D estéreo. Se precisar de luzes, copie manualmente as luzes nas composições de Olho esquerdo e Olho direito. Certifique-se de que as luzes sejam idênticas às luzes originais na composição principal. Caso contrário, você poderá obter sombras ou cores diferentes em cada olho, o que pode causar desconforto visual. A Adobe recomenda que, se precisar adicionar luzes, conecte as luzes das composições esquerda e direita através das expressões às suas equivalentes na composição mestre. Certifique-se de vincular todas as propriedades das luzes, incluindo os parâmetros posicionais, direcionais e de iluminação. Você pode executar essa etapa facilmente usando a ferramenta Pick Whip. Abra duas linhas de tempo para mostrar simultaneamente a composição principal e a composição esquerda ou direita. Clique no cronômetro de cada propriedade na luz e use a ferramenta Pick Whip arrastando-a para a propriedade de luz associada na composição principal. 

Duplicação

Ao visualizar sua composição através dos óculos, você poderá visualizar as áreas que aparecem duas vezes, chamadas de duplicação. Você pode testar esse fenômeno fechando seu olho direito. Se vir qualquer parte da imagem que somente o olho direito deveria ser capaz de ver, saberá que tem um problema. Normalmente trata-se de um problema na forma como a exibição mostra o conteúdo. Suprima as áreas que se estão duplicando. Às vezes, isso acontece quando há contrastes nítidos de cor e os óculos não são capazes de bloquear completamente aquela imagem do olho incorreto. Mas é mais provavelmente um problema de sincronização da exibição ou um problema similar com a TV 3D ou com o dispositivo de exibição.

Evitar problemas estereoscópicos

Como você pode ver, há vários elementos móveis ao trabalhar com 3D estereoscópico. Como discutido primeiro, você tem acesso a muitas mais variáveis do que na vida real. Portanto, há muito mais possibilidades de que não estejam alinhadas, apresentando sinais de profundidade contraditórios e causando cansaço visual ou dor cerebral. Estes são alguns princípios gerais que se deve ter em mente.

  • Certifique-se de que os sinais de profundidade não estejam gerando informações contraditórias.
  • Verifique o zoom da sua câmera; as lentes grande-angular geram mais distorção se as câmaras estiverem convergindo (toe-in).
  • Faça a correspondência da distância do foco da câmera mestre com a distância até o plano de convergência. A falta de correspondência pode sutilmente causar confusão (tem-se a sensação de que algo está errado, mas não é possível dizer o que).
  • Se for integrar gravação ao vivo, assegure-se de que os ângulos da câmera correspondam aos das câmeras de gravação (normalmente paralelas) e que a distância de convergência também corresponda à da gravação.
  • Evite inserir uma quantidade extrema de paralaxe. No modo de diferença, examine o espaçamento horizontal dos olhos esquerdo e direito entre o objeto mais próximo e mais distante e certifique-se de que não seja muito excessivo.
  • Se os olhos não puderem convergir ou for doloroso visualizar a imagem, você pode tentar essas soluções:

    • Mova-se para bem longe da tela de exibição ao olhar com os óculos 3D.
    • Certifique-se de que o seu ponto de convergência esteja em algum lugar previsível e não muito longe nem muito próximo da câmera, onde os olhos poderiam estar vesgos.
    • Reduza a profundidade da cena estéreo (separação interaxial). Se o plano de convergência estiver razoavelmente localizado e um objeto que esteja distante do ponto de convergência fizer com que seus olhos fiquem vesgos, isso pode ser doloroso. Lembre-se de que é a relação entre os objetos na cena que importa; compare a separação horizontal do objeto mais próximo ao mais distante. Se as duas imagens sobrepostas se parecem drasticamente diferentes, isso pode causar esforço visual. 

Pode ocorrer duplicação em elementos que estão fora do seu controle. Os fatores que podem causar a duplicação são a sincronização do hardware entre os óculos e o monitor, a carga da bateria dos óculos, a faixa dinâmica do monitor ou a taxa de atualização. Mas há algumas coisas que você pode fazer para torná-la melhor. Se estiver ocorrendo duplicação, tente o seguinte:

  • reduza as áreas de alto contraste
  • aumente o brilho
  • reduza a profundidade da cena para que a separação entre os elementos seja reduzida
  • consulte o guia de solução de problemas de 3D estereoscópico na exibição

Um teste final

Uma teste interessante que pode ser executado é reverter de propósito os sinais de profundidade e ter uma ideia do que acontece quando as coisas dão errado. Nesse caso, você pode facilmente contradizer os sinais de profundidade do 3D estereoscópico e da oclusão para proporcionar uma ilusão interessante. Se selecionar Alternar esquerda/direita no efeito Óculos 3D, isso reverte todas as convergências. Portanto, tudo o que estava se destacando está agora no fundo. Este método não é intuitivo, mas o efeito é que um objeto que esteja na frente de outro em relação à oclusão, o tamanho e a perspectiva relativos parecem estar atrás do outro no sinal de profundidade estéreo. É como se a camada do plano de fundo estivesse cortada e a camada do primeiro plano estivesse afundando nela. Esse efeito é estranho, mas experimentá-lo ajuda a entender quão importante esses sinais de profundidade são e quão importante é garantir que estejam todos alinhados e concordem.

 

 

 

Esta obra está licenciada sob uma licença não adaptada da Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0  As publicações do Twitter™ e do Facebook não são cobertas pelos termos do Creative Commons.

Avisos legais   |   Política de privacidade online