Aplicar cores a um trabalho artístico é uma tarefa comum do Adobe Illustrator e que exige um certo conhecimento de modelos e modos de cores. Ao aplicar cores a um trabalho artístico, considere a mídia final na qual ele será publicado, para poder usar o modelo de cor e as definições de cores corretos. É fácil testar e aplicar cor usando o painel Amostras, o painel Guia de cores e a caixa de diálogo Editar cores/Recolorir arte no Illustrator, todos contendo diversos recursos de cores.

Modelos de cores descrevem as cores que vemos e com as quais trabalhamos em gráficos digitais. Cada modelo de cor, como RGB, CMYK ou HSB, representa um método diferente para descrever e classificar cores. Modelos de cores utilizam valores numéricos para representar o espectro visível de cores. Um espaço de cores é uma variante de um modelo de cor e tem uma gama (intervalo) específico de cores. Por exemplo, dentro do modelo de cores RGB, há vários espaços de cores: Adobe® RGB, sRGB e Apple® RGB. Embora cada um desses espaços de cores defina cores usando os mesmos três eixos (R, G e B), suas gamas são diferentes.

Sobre cores em gráficos digitais

Usamos modelos de cores para descrever as cores que vemos e com as quais trabalhos em gráficos digitais. Cada modelo de cor, como RGB, CMYK ou HSB, representa um método diferente para descrever e classificar cores. Modelos de cores utilizam valores numéricos para representar o espectro visível de cores. Um espaço de cores é uma variante de um modelo de cor e tem uma gama (intervalo) específico de cores. Por exemplo, dentro do modelo de cores RGB, há vários espaços de cores: Adobe® RGB, sRGB e Apple® RGB. Embora cada um desses espaços de cores defina cores usando os mesmos três eixos (R, G e B), suas gamas são diferentes.

Ao trabalhar com essas cores em um gráfico, você está, na verdade, ajustando valores numéricos no arquivo. É fácil imaginar um número como uma cor, mas esses valores numéricos não são cores absolutas por si só, apenas têm um significado de cores no espaço de cores do dispositivo que está produzindo a cor.

Como cada dispositivo tem o seu próprio espaço de cores, cada um pode reproduzir cores apenas na sua gama. Quando uma imagem é movida de um dispositivo para outro, suas cores podem ser alteradas, porque cada dispositivo interpreta os valores RGB ou CMYK de acordo com o seu próprio espaço de cores. Por exemplo, é impossível que todas as cores exibidas em um monitor sejam identicamente correspondidas em uma impressão a partir de uma impressora de mesa. Uma impressora opera em um espaço de cores CMYK, enquanto um monitor opera em um espaço de cores RGB. Suas gamas são diferentes. Alguns cores produzidas por tintas não podem exibidas em um monitor, enquanto outras que podem ser exibidas em um monitor não podem ser reproduzidas com o uso de tintas em papel.

Mesmo que seja impossível corresponder perfeitamente todas as cores em diferentes dispositivos, é possível utilizar o gerenciamento de cores para garantir que a maioria delas seja idêntica, ou suficientemente semelhante para parecer consistente.

RGB, CMYK, HSB e modelos de Cores Lab

RGB

Uma grande porcentagem do espectro visível pode ser representada pela mistura da luz colorida vermelha, verde e azul (RGB) em várias proporções e intensidades. Nos pontos em que as cores se sobrepõem, elas criam ciano, magenta e amarelo.

Cores RGB são chamadas de cores aditivas porque o branco é produzido com a adição de R, G e B ao mesmo tempo; ou seja, toda a luz é refletida de volta ao olho. Cores aditivas são usadas para iluminação, televisão e monitores de computador. Por exemplo, seu monitor, cria cores ao emitir luz através de fósforos vermelhos, verdes e azuis.

Cores aditivas (RGB)
Cores aditivas (RGB)

A. Vermelho B. Verde C. Azul 

Você pode trabalhar com valores de cor usando o modo de cores RGB, que tem como base o modelo de cores RGB. No modo RGB, cada um dos componentes RGB pode usar um valor que varia de 0 (preto) a 255 (branco). Por exemplo, o vermelho-claro pode conter um valor R de 246, um valor G de 20 e um valor B de 50. Quando os valores de todos os três componentes são iguais, o resultado é um tom de cinza. Quando o valor de todos os componentes é 255, o resultado é branco puro e, quando todos os componentes têm valores de 0, o resultado é preto puro.

O Illustrator também inclui um modo de cores RGB modificado, chamado de RGB seguro para a Web, que inclui apenas as cores RGB apropriadas para uso na Web.

CMYK

Enquanto um modelo RGB depende de uma fonte de luz para criar cores, o modelo CMYK tem como base a qualidade de absorção da luz da tinta impressa no papel. À medida que a luz branca incide sobre tintas translúcidas, uma parte do espectro é absorvida. A cor não absorvida é refletida de volta ao olho.

Combinar pigmentos puros de ciano (C), magenta (M) e amarelo (Y) resultaria em preto com a absorção, ou subtração, de todas as cores. Por esse motivo, elas são chamadas de cores subtrativas. A tinta preta (K) é adicionada para melhorar a densidade das sombras. A letra K é utilizada porque o preto ("black" em inglês) é a cor chave ("key" em inglês) para o registro de outras cores e porque a letra B também representa o azul ("blue" em inglês). A técnica de combinação dessas tintas para reproduzir cores é chamada de impressão de processo em quatro cores.

Cores subtrativas (CMYK)
Cores subtrativas (CMYK)

A. Ciano B. Magenta C. Amarelo D. Preto 

Você pode trabalhar com valores de cor usando o modo de cores CMYK, que tem como base o modelo de cores CMYK. No modo CMYK, cada uma das tintas de processo CMYK pode usar um valor que varia de 0 a 100%. As cores mais claras recebem porcentagens menores de cores de tintas de processo, enquanto as cores mais escuras têm valores de porcentagem maiores. Por exemplo, um vermelho-claro pode conter 2% de ciano, 93% de magenta, 90% de amarelo e 0% de preto. Em objetos CMYK, baixas porcentagens de tinta estão mais próximas do branco, enquanto altas porcentagens de tinta estão mais próximas do preto.

Use o CMYK ao preparar um documento para ser impresso com o uso de tintas de processo.

HSB

Com base na percepção humana da cor, o modelo HSB descreve as três características fundamentais da cor:

Matiz

Cor refletida de ou transmitida por meio de um objeto. É medida como um local no disco de cores padrão, expresso como um grau entre 0° e 360°. No uso comum, a matiz é identificada pelo nome da cor, como vermelho, laranja ou verde.

Saturação

Intensidade ou pureza da cor (às vezes, denominada croma). A saturação representa a intensidade de cinza na proporção da matiz, medida como uma porcentagem de 0% (cinza) a 100% (totalmente saturado). No disco de cores padrão, a saturação aumenta do centro para a aresta.

Brilho

A luminosidade ou escurecimento relativo da cor, geralmente medido como a porcentagem de 0% (preto) a 100% (branco).

Modelo de cores HSB
Modelo de cores HSB

A. Matiz B. Saturação C. Brilho 

Lab

O modelo de cores CIE Lab tem como base a percepção humana das cores. Trata-se de um dos vários modelos de cores produzidos pela CIE (Commission Internationale d’Eclairage), uma organização dedicada a criar padrões para todos os aspectos da luz.

Os valores numéricos no Lab descrevem todas as cores vistas por uma pessoa com visão normal. Como o Lab descreve a aparência de uma cor, em vez de descrever a quantidade um colorante específico necessária para um dispositivo (como um monitor, impressora de mesa ou câmera digital) produzir cores, ele é considerado um modelo de cores independente do dispositivo. Os sistemas de gerenciamento de cores usam o Lab como uma referência de cores para transformar uma cor de um espaço de cores em uma cor de outro espaço de cores, de maneira previsível.

No Illustrator, você pode usar o modelo Lab para criar, exibir e processar amostras de cores especiais. Porém, não é possível criar documentos no modo Lab.

Escala de cinza

A escala de cinza usa tons de preto para representar um objeto. Cada objeto em escala de cinza tem um valor de brilho que varia de 0% (branco) a 100% (preto). As imagens produzidas com o uso de scanners em preto-e-branco ou em escala de cinza são geralmente exibidas em escala de cinza.

A escala de cinza também permite converter o trabalho artístico colorido em trabalho artístico em preto-e-branco de alta qualidade. Nesse caso, o Adobe Illustrator descarta todas as informações de cores no trabalho artístico original, e os níveis (tons) de cinza dos objetos convertidos representam a luminosidade dos objetos originais.

Quando você converte objetos em escala de cinza em RGB, os valores de cor de cada objeto recebem o valor de cinza anterior do respectivo objeto. Também é possível converter um objeto em escala de cinza em um objeto CMYK.

Espaços de cores e gamas

Um espaço de cores é um intervalo de cores no espectro visível. Um espaço de cores também pode ser uma variação de um modelo de cores. O Adobe RGB, o Apple RGB e o sRGB são exemplos de diferentes espaços de cores com base no mesmo modelo de cores.

Gamas de diferentes espaços de cores
Gamas de diferentes espaços de cores

A. Gama visual B. Espaço de cores RGB C. Espaço de cores CMYK 

O intervalo de cores incluso em espaço de cores é chamado de gama. Diferentes dispositivos (monitor de computador, scanner, impressora de mesa, prelo, câmera digital) em um fluxo de trabalho operam dentro de diferentes espaços de cores e cada um com gamas distintas. Algumas cores na gama de um monitor de computador não estão dentro da gama de uma impressora jato de tinta, e vice-versa. Quando uma cor não pode ser produzida em um dispositivo, considera-se que ela está fora do espaço de cores desse dispositivo específico. Em outras palavras, a cor está fora da gama.

Sobre cores especiais e de escala

Você pode designar cores como especiais ou de escala, o que corresponde aos dois principais tipos de tinta usados na impressão comercial. No painel Amostras, você pode identificar o tipo de uma cor usando ícones que aparecem próximos ao nome da cor.

Ao aplicar cores a caminhos e quadros, tenha em mente a mídia final na qual a arte será publicada, para usar o modo de cores mais apropriado.

Observação:

Se seu fluxo de trabalho de cor envolve a transferência de documentos entre dispositivos, você pode querer usar um sistema de gerenciamento de cores (CMS) para ajudar a manter e regular as cores ao longo do processo.

Sobre cores especiais

Uma cor especial é uma tinta especial pré-misturada que é usada em substituição ou em acréscimo às, ou além das, tintas de escala e que exige sua própria chapa na impressora comercial. Use as cores especiais quando forem especificadas poucas cores, e a precisão da cor for importante. As tintas de cor especial podem reproduzir, com precisão, as cores que estão fora do gamut de cores de escala. Entretanto, a aparência exata da cor especial impressa é determinada pela combinação da tinta conforme misturada pela impressora comercial e o papel em que é impressa, e não pelos valores de cores especificados, nem pelo gerenciamento de cores. Ao especificar valores de cor especial, você está descrevendo a aparência simulada da cor de seu monitor e da impressora composta apenas (sujeita às limitações de gamut desses dispositivos).

Mantenha em mente as diretrizes a seguir ao especificar uma cor especial:

  • Para obter melhores resultados em documentos impressos, especifique uma cor especial de um sistema de correspondência de cores compatível com a impressora comercial. Diversas bibliotecas de sistemas de correspondência de cores estão incluídas no software.

  • Reduza o número de cores especiais utilizadas. Cada cor especial criada gerará um plate de impressão de cor especial adicional para a máquina de impressão, aumentando os custos de produção. Se você achar que precisará de mais de quatro cores, considere imprimir seu documento usando as cores de escala.

  • Se um objeto contiver cores especiais ocorrerão resultados indesejados na exportação para o formato EPS, durante a conversão de cores especiais para cores de escala usando a caixa de diálogo Imprimir ou durante a criação da separação de cores em um aplicativo diferente do Illustrator ou InDesign. Para obter melhores resultados, use a Visualização do nivelador ou Visualização de separações para fazer prova dos efeitos de nivelamento da transparência antes da impressão. Além disso, você pode converter as cores especiais em cores de escala, usando o Gerenciador de tintas no InDesign antes de imprimir ou exportar.

  • Você pode usar um plate de impressão de cor especial para aplicar um verniz sobre áreas de um trabalho de cor de escala. Nesse caso, seu trabalho de impressão usaria um total de cinco tintas: quatro cores de escala e um verniz especial.

Sobre cores de processo

Uma cor de escala é impressa usando-se uma combinação de quatro tintas de escala padrão: ciano, magenta, amarelo e preto (CMYK). Use cores de escala quando um trabalho exibir tantas cores que o uso de tintas especiais individuais seria caro ou impraticável, como na impressão de fotografias coloridas.

Conserve as diretrizes a seguir em mente ao especificar uma cor de escala:

  • Para obter os melhores resultados em um documento impresso de alta qualidade, especifique cores de escala usando valores CMYK impressos em cartões de referência de cores de escala, como aqueles disponíveis em uma impressora comercial.

  • Os valores de cor finais de uma cor de escala são os valores em CMYK; portanto, se você especificar uma cor de escala usando RGB (ou LAB, no InDesign), esses valores de cor serão convertidos em CMYK ao imprimir as separações de cor. Essas conversões diferem com base em suas configurações de gerenciamento de cor e perfil de documento.

  • Não especifique uma cor de escala com base em como ela aparenta em seu monitor, a menos que você tenha certeza de ter definido um sistema de gerenciamento de cores apropriadamente e tenha compreendido suas limitações quanto à visualização de cores.

  • Evite usar cores de escala em documentos destinados apenas à visualização on-line, pois o CMYK tem um gamut de cores menor do que a de um monitor comum.

  • O Illustrator e o InDesign permitem que você especifique uma cor de escala como global ou não global. No Illustrator, as cores de escala globais permanecem vinculadas a uma amostra no painel Amostras, de modo que, se você modificar a amostra de uma cor de escala global, todos os objetos que utilizam essa cor serão atualizados. As cores de escala não globais não são atualizadas automaticamente em todo o documento quando a cor é editada. As cores de escala são não globais por padrão. No InDesign, quando você aplica uma amostra a objetos, a amostra é aplicada automaticamente como uma cor de escala global. As amostras não globais são cores sem nome, que podem ser editadas no painel Cores.

Observação:

As cores de escala globais e não globais afetam apenas o modo de aplicação de determinada cor aos objetos, nunca o modo se separação nem o comportamento das cores quando você passa de um aplicativo a outro.

Uso das cores especiais e de escala juntas

Algumas vezes é conveniente usar tintas de escala e especiais no mesmo trabalho. Por exemplo, você pode usar uma tinta especial para imprimir a cor exata do logotipo de uma empresa nas mesmas páginas de um relatório anual em que fotografias são reproduzidas usando cores de escala. Você pode também usar um plate de impressão de cor especial para aplicar um verniz sobre áreas com um trabalho de cor de escala. Em ambos os casos, seu trabalho de impressão usa um total de cinco tintas — quatro tintas de escala e uma tinta ou verniz especial.

No InDesign, você pode combinar cores de escala e especiais em conjunto para criar cores de tinta misturadas.

Comparação de cores no InDesign e no Illustrator

O Adobe InDesign e o Adobe Illustrator usam métodos ligeiramente diferentes para aplicar cores nomeadas. O Illustrator permite que você especifique uma cor nomeada como global ou não global e o InDesign trata todas as cores sem nome como não globais, cores de escala.

Os equivalentes do InDesign às cores globais são as amostras. As amostras facilitam a modificação dos esquemas de cor sem a necessidade de localizar e ajustar cada objeto separadamente. Isso é especialmente útil em documentos padronizados, destinados à produção, como revistas. Como as cores do InDesign são vinculadas a amostras no painel Amostras, qualquer alteração em uma amostra afeta todos os objetos aos quais uma cor é aplicada.

Os equivalentes do InDesign às amostras não globais são as cores sem nome. As cores sem nome não aparecem no painel Amostras e elas não são atualizadas automaticamente por todo o documento quando a cor é editada no painel Cores. Você pode, entretanto, adicionar uma cor sem nome ao painel Amostras posteriormente.

As cores com e sem nome afetam apenas como uma determinada cor é aplicada em seu documento, nunca como as cores são separadas ou se comportam quando você passa de um aplicativo a outro.

Esta obra está licenciada sob uma licença não adaptada da Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0  As publicações do Twitter™ e do Facebook não são cobertas pelos termos do Creative Commons.

Avisos legais   |   Política de privacidade online